Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



           

Autoria e outros dados (tags, etc)

               

Autoria e outros dados (tags, etc)

      

Autoria e outros dados (tags, etc)

       

Autoria e outros dados (tags, etc)

1. Cerimónia de Boas Vindas

    

 

2. Jantar oferecido pela rainha

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

     

Autoria e outros dados (tags, etc)

   

 

fonte: laruedubac.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

Explosão de charme made in Mónaco, a filha da princesa Caroline e de um atraente homem de negócios italiano desde cedo transpirou a milagre e mistério. Beleza desconcertante, cavaleira de garra, estrela em ascensão, Charlotte Casiraghi tem o cérebro tão esculpido como os restantes músculos. Entrevista exclusiva com uma jovem obediente. 

 

Quando se pergunta a Charlotte Casiraghi o que está a ler...

neste momento, ela tira da sua carteira e coloca imediatamente em cima da mesa dois livros finos com capas já gastas: De l'Amitié (Da Amizade), de Cícero  e De la Brièveté da la Vie (Da Brevidade da Vida), de Sénèque. "Este ensaio de Sénèque é fantástico", diz ela, "Volto sempre a ele. Eu estudei a língua grega antiga e latim, os autores da antiguidade estão entre os meus preferidos." Um gosto desmedido pela literatura e pela equitação, uma menção de «muito bom» no bac de filosofia, é tudo o que se sabe sobre esta jovem de 25 anos, que tem os holofotes do mundo inteiro virados para si  e cuja característica mais natural é a discrição. "Eu sempre li muito. Devo ter herdado  isso da minha mãe. Por vezes, leio cinco livros ao mesmo tempo. Eu adoro ler. Sobretudo, os clássicos, Le Rouge et le Noir (O Vermelho e o Negro), de Stendhal, L'éducation sentimentale (A educação sentimental), de Flaubert, Le Lys dans la Vallée (O Lírio do Vale), de Balzac, todos de Emily Dickinson, mas também Leopardi, Fitzgerald, Carson McCullers, Tabachi, Joan Didion, Houellebecq... Sem esquecer a poesia, Lettres à un jeune poete (Cartas a um jovem escritor), de Rilke, La Chansson du Mal-aimé, de Apollinaire." Sentada no bar do hotel Bristol, silhueta neutralizada por uns jeans slim e uma camisa branca, Charlotte Casiraghi destaca-se logo pela sua grande beleza. Uma verdadeira visão de uma Madona com dois olhos safira e uma boca idêntica ao sofá Mae West desenhado por Salvador Dali. Pensamentos imediatamente na fotogenia da sua avó, Grace Kelly, musa hitchcockiana tornada princesa em directo perante trinta milhões de espectadores  a 19 de Abril de 1956, ou ainda à da sua mãe, Caroline, cujo perfil pop electrizado por Wahrol foi capa da Vogue de Dezembro de 1953. Caprichos de genes, milagre de sangue azul ou feitiços do Mediterrâneo, os ídolos femininos do Rochedo foram talhados desde o berço pela perfeição de Vénus. 

 

Ela praticamente não dá entrevistas...

"Nada a dizer", como diria o advogado da família. Voz grave e calma, de uma educação inata, ela faz uma careta enfadada e mostra a sua mão pontuada com um verniz laranja a cada pergunta que considera indiscreta. Nada de falar sobre os amores, a família, o futuro, a noção de destino ou de notoriedade. "É muito pessoal e envolve outros. Claro que podia falar. Mas não quero." 

De resto, joga o jogo, afável e precisa. "Para ser totalmente honesta", diz ela, "é verdade que eu tenho uma paixão pela literatura mas prefiro a filosofia. Creio mesmo que já optei por um ramo da filosofia. Adoro a racionalidade, a atenção ao essencial, os progressos da razão, a análise dos conceitos. Tive a sorte de ser iniciada por Robert Maggiori, um professor extraordinário, e também jornalista do Libération. Ele é fascinante e torna esta disciplina muito viva. Provavelmente, porque ele consegue aproximar a filosofia e o jornalismo, à partida, duas coisas muito diferentes."  

"Vejo Charlotte de tempos a tempos", diz Robert Maggiori, "e tenho lembrança da sua presença as aulas. Era uma aluna tímida, como os outros, com a diferença de que ela era a mais brilhante de todas. Ela tem uma capacidade de escutar e de reflectir extraordinária, um gosto profundo pela interrogação, essencialmente ao nível da moral. Ela é extremamente escrupulosa, vive com o medo de falhar. Poderia pensar num doutorado. Também dava uma excelente professora. Eu raramente vejo uma exigência consigo mesmo deste tamanho." 

Uma license de philo que a conduziu a uma preparação literária no Licée Fénellon que acabou por abandonar. 

 

 

"O perfeccionismo tanto pode ser uma qualidade como um defeito"

diz a interessada. "Querer dar o melhor de si é uma fonte de força formidável mas o medo de não ser bem sucedida é um paralisador. Sempre fui muito boa aluna mas estava sempre convencida de que ia perder tudo. Torturava-me muito. Em vez de optar pela simplicidade, de fazer o meu melhor, eu infligia-me uma pressão, de objectivos muito importantes. Quando estava em preparações, isso tornava-se insuportável."

Hoje, é nos jumpings de todo o mundo, do Brazil ao Mónaco, de Valência a St. Tropez, que Charlotte Casiraghi mete à prova a sua disciplina mental, a ética da manutenção. Objectivo: tornar-se uma campeã de saltos de obstáculos. "Os cavalos sempre fizeram parte da minha vida. Quando era pequena, a minha mãe arranjava-me póneis, ela tinha dois cavalos, e eu montava regularmente até ter 18 anos, participei em vários concursos amadores, mas antes de tudo vinham os meus estudos. Depois, o desejo voltou de repente. O desejo de pôr à prova, de me dedicar a um desporto de alto nível. Senti que era o momento, que já tinha a liberdade necessária. Antes de ter uma família, filhos, é muito complicado." O essencial do seu tempo é dedicado a treinos assíduos com o seu treinado Thierry Rozier, filho do medalhado olímpico Marcel Rozier e a cuidar dos seus sete cavalos, cinco dos quais monta em competições. "Tecnicamente, o meu melhor cavalo chama-se Tintero, 12 anos. Mas ele tem fases, humores. Estes dias, ele tem-se revelado temperamental, e não tem sido com ele que tenho obtido os meus melhores resultados. Há seis meses, era exactamente o contrário. Não nos podemos esquecer que o verdadeiro atleta é o cavalo". 

 

 

O original da entrevista pode ser encontrado aqui: LINK

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/11



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2015
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2014
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2013
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2012
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2011
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2010
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2009
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2008
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2007
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ


subscrever feeds